A Tragicomédia Acadêmica

mm
Publicado em novembro 11, 2011, 4:42 pm
FavoriteLoadingAdd to favorites 6 mins

Depois de passar por seis cursos, o paulista Yuri V. Santos decidiu contar, com humor e sarcasmo, o que sustenta a “Tragicomédia Acadêmica”. O curioso modus vivendi universitário é a matéria-prima do livro A Tragicomédia Acadêmica — Contos Imediatos do Terceiro Grau, coletânea de contos que lança no mercado editorial o escritor Yuri V. Santos.

Professores megalomaníacos, artistas sem talento, formandos sem perspectivas e ridículas brigas de poder pela chefia dos departamentos são alguns dos personagens e situações vividas pelo autor em seus anos de faculdade e que ele devolve agora na forma de 19 contos, com uma generosa dose de humor e sarcasmo.

O tom das histórias é de sátira, mas Yuri adianta que o livro não se sustenta em cima de non sense. “As piadas dos textos satirizam coisas sérias. É um desabafo bem-humorado com o tipo de educação que a gente recebe”, resume o escritor, numa crítica melhor explicitada em Estilo Próprio, o conto de abertura, sobre um aluno que, literalmente, dá a vida para ter a sua arte reconhecida. Tanto que a idéia básica dos contos começou a ser delineada durante um trabalho em seu curso de Artes Plásticas na Universidade de Brasília. O tema do trabalho(projeto de pesquisa do CNPQ) era a legitimidade ou não da releitura das obras de artistas de diversas épocas, o que explica as inúmeras referências e citações presentes nos textos de A Tragicomédia Acadêmica.

Lendas e peças da antigüidade grega foram a inspiração de algumas histórias. No conto A Virada, um esforçado estudante de Arquitetura se desespera por não conseguir entregar um trabalho a tempo e desaparece para sempre num labirinto de túneis, deixando como única justificativa a lacônica mensagem: “Digam ao rei Minos que eu voltei”. Em Penteu, O Pentelho, a verve cômica impera numa história sobre um odiado e careta diretor de um centro acadêmico que solta a franga numa festa eletrônica ao estilo de As Bacantes.

Um dos intelectuais mais respeitados deste fim de século, o italiano Umberto Eco tem toda a seriedade de seu famoso Apocalípticos e Integrados convertida em irreverência e deboche no antropófago conto Paralíticos e Desintegrados.

Mas não são só os cânones da cultura ocidental que convivem com a ironia bem-nutrida de A Tragicomédia… Deuses do pop, como Mickey Mouse, John Lennon e o famigerado Paulo Coelho também são combustíveis para críticas ácidas em textos curtos e leves, num clima de brincadeira. “Em alguns contos eu me sinto meio que como uma criança inventando histórias”, revela.

Se em muitas passagens a fauna da vida universitária chega a ser tão extravagante que acaba assumindo feições fantásticas, o material de pesquisa de Yuri V. Santos não é a imaginação, mas muito conhecimento de causa. Afinal, ele passou por seis cursos universitários, entre eles Jornalismo e Engenharia Civil, em Goiânia, e Engenharia Florestal e Artes Plásticas, na UnB, apesar de não Ter concluído nenhum deles. “Mesmo assim, sem o diploma, eu me considero formado”, diz ele, que decidiu se dedicar definitivamente à carreira de escritor.

Originais nas mãos, a luta pela publicação de A Tragicomédia… poderia render um outro livro. “Sabe como é, escritor novo, sem referências…”, recorda-se Yuri, que na ocasião tinha 27 anos e já morava em São Paulo há três anos, sua cidade natal. Era sócio de um estúdio de fotografia e publicidade, o Blow Up e no tempo que sobrava ele bateu na porta de diversas editoras, recebendo sempre um invariável não como resposta.

A história, no entanto, teve um final feliz e o responsável foi o editor Ryoki Inoue, o brasileiro que entrou no Guinness, o Livro dos Recordes como o escritor mais prolífico do mundo.

Para comprar o livro:

Vide Editorial

Amazon

Livraria Cultura

Livraria Saraiva

.

Para comprar o ebook:

Amazon (Kindle)

Livraria Cultura (epub)

Kobo Books (epub)

.

Mais informações sobre o autor em seu site YuriVieira.com.


Fonte: Ryoki Produções / Jornalismo Colaborativo


Sugestão de Leitura do Editor

mm
Jornalismo nipo-brasileiro com a parceria editorial do Jornalismo Colaborativo e da Intern
Publicação Anterior